Em atendimento à legislação eleitoral, alguns conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

O que você procura?

Em celebração ao Movimento Constitucionalista de 1932, o Governo de São Paulo, por meio da Secretaria da Casa Civil e da Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Arquivo Público do Estado de São Paulo e do Museu da Imigração do Estado de São Paulo, apresentou a exposição “SP, 1932: 80 anos do Movimento Constitucionalista”.

A mostra ficou em cartaz de 9 de julho a 2 de outubro de 2012, no edifício do Arquivo Público de São Paulo. A exposição contextualiza como a insatisfação paulista pela perda de sua autonomia se transformou em um dos maiores movimentos armados da história do Brasil, envolvendo mais de 200 mil homens. Por meio de documentos, fotografias e objetos, a mostra percorre um período de 4 anos, iniciado em 1930, com a formação do Governo Provisório e as medidas intervencionistas de Getúlio Vargas.

A partir daí, a exposição percorre os principais fatos – e suas consequências – do período que antecedeu ao dia 9 de julho de 1932, quando o combate armado efetivamente teve início. Entre eles, está a união dos dois mais importantes partidos da política paulista à época – Partido Republicano Paulista, representante das oligarquias cafeeiras, e Partido Democrático, representante de parte das camadas médias urbanas – em busca de mobilização popular para a luta constitucionalista.

Outro acontecimento em destaque na exposição é a morte dos estudantes Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo – que formam a famosa sigla MMDC – razão pela qual se intensificou a adesão popular à causa. Estão registrados também os esforços de guerra, com campanhas de arrecadação como “Ouro para o bem de São Paulo”, em que milhares de paulistas doaram alianças de casamento e outros bens para auxiliar no financiamento da batalha. Já no ambiente de conflito, a exposição localiza geograficamente as principais frentes de batalha e revela o cotidiano dos jovens soldados nas trincheiras.

Neste módulo estão expostos armas e objetos de uso pessoal, como indumentárias, garrafas, talheres, entre outros, que ajudam a contextualizar o ambiente em que os combates se desenvolveram. Por fim, a mostra se dedica ao legado deixado pelo Movimento Constitucionalista. Embora derrotados nos campos de batalha, os paulista se consideraram vitoriosos com a promulgação de uma nova constituição em 1934. As histórias e memórias do movimento estão materializados em objetos, monumentos e documentos espalhados pelo estado. Fragmentos de um episódio que se consolidou como o principal movimento cívico de São Paulo.

A exposição “SP, 1932: 80 anos do Movimento Constitucionalista”, ficou em cartaz de 9 de julho a 2 de outubro de 2012 no edifício do Arquivo Público do Estado de São Paulo, na Rua Voluntários da Pátria, 576, em São Paulo.

Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Governo do Estado de SP